Sistema de leitura de água do município passa por modificações

Sistema de leitura de água do município passa por modificações

A Prefeitura Municipal de Rinópolis iniciou no mês de março um novo sistema de leitura das contas de água dos moradores, onde a data da leitura é antecipada e consequentemente, o recebimento das mesmas, porém com data de vencimento para o próximo mês.

O início do novo sistema fez com que alguns moradores se sentissem lesados, porque receberam duas contas no mesmo mês e não entenderam qual seria o novo método utilizado.

A rinopolense Caroline Távora Vieira comentou que a mudança deveria ter sido comunicada com antecedência pelos órgãos responsáveis para não gerar tumulto. “Não concordei com a forma que foi realizada essa mudança, já que deveria ter sido feita no outro mês, para que não gerasse confusão na população. Uma das minhas contas veio com valor um pouco acima do que recebo e achei injusto porque não gastei a mais. Outra questão que estive observando, foi sobre a cobrança de limpeza de via pública, já que não temos esse tipo de serviço e que nos é cobrado indevidamente. Acredito que tem coisas que precisam ser revistas porque estão erradas”, conta.

De acordo com o prefeito José Ferreira de Oliveira Neto, a empresa que distribui água para o município continua sendo a mesma e apenas o sistema de leitura foi modificado. “A TCM continua distribuindo água para Rinópolis, empresa essa que presta serviço terceirizado. Antes contávamos com apenas um funcionário para realizar a medição na cidade toda, o que demorava cerca de 20 dias. Hoje, contratamos esse serviço e todo mês 12 funcionários se deslocam até o nosso município, para realizar a leitura. O processo leva apenas quatro dias. Acreditamos ser um avanço, porque gerará uma economia de cerca de R$ 40 mil por ano para o nosso município”, explica.

Novo sistema

O prefeito ainda comenta que a datas para a leitura da conta serão realizadas entre os dias 11 e 14 de cada mês, data disponível no calendário da empresa para realizar o serviço. “As pessoas passaram a receber duas contas e acham que terão que pagá-las no mesmo mês, como se tivéssemos cobrando novamente, porém o sistema passou a ser de outra forma, onde a pessoa, recebe por exemplo, no dia 11 de abril e só irá pagar em maio. A leitura que foi feita hoje, só será recebida no outro mês e os dados que foram coletados, ficarão na própria máquina e na próxima vez em que o funcionário passar é que será feita a impressão e entregue ao morador referente ao mês anterior. No dia 12 ou 13 de maio, receberá outra, que deverá ser paga no mês de junho e assim sucessivamente. O valor mínimo continua sendo o mesmo, sem alterações. Houve sim um aumento na administração passada, onde o decreto já havia sido feito pelo ex-prefeito, aprovando o aumento do valor no mês de dezembro”, ressalta.

Neto ainda diz que o valor a ser pago é referente à quantidade de litros consumida e o valor só aumenta se o consumo de água for maior. “Até dez mil litros será cobrado o valor mínimo de R$ 35, caso o consumo tenha ultrapassado a quantidade de litros, o valor aumentará, porque é cobrado por litro consumido e isso não é somente na nossa cidade, mas em qualquer lugar, até mesmo a Sabesp trabalha dessa forma. Não importa quando for retirada a fatura, o valor será referente ao que for consumido naquele mês, por isso queremos manter a regularidade em questão do dia”, comenta.

O prefeito alerta para que os moradores que receberem contas com valores mais elevados do que de costume, verifiquem o hidrômetro para certificar que os números correspondem com os que estão no papel. “Os valores não foram alterados, apenas a data de leitura, por isso é necessário prestar atenção no valor que está sendo cobrado, porque pode ocorrer erros na hora do funcionário digitar. Caso os números do hidrômetro e do papel não forem o mesmo, pode haver algum problema, seja vazamento, aparelho quebrado. É preciso atenção da população, para que os erros sejam corrigidos e todos paguem o que é justo”, enfatiza

Neto ainda garante que não pretende contratar a empresa Sabesp, já que a empresa pratica um valor muito acima do valor aplicado no município. “Está fora de cogitação contratar essa empresa. Os valores que são cobrados por eles são elevados e não vemos necessidade de contratar esse serviço para o nosso município. Pretendemos gerar uma economia e não fazer com que as pessoas gastem ainda mais. Pensamos sempre no que é melhor para a população”, finaliza.

Comente

Seu e-mail não será publicado.

Imagem CAPTCHA

*